Apae Ciência http://apaeciencia.org.br/index.php/revista <p>A Apae Ciência é uma publicação totalmente on-line, editada pela <a href="http://www.apaebrasil.org.br/" target="_blank" rel="noopener">Federação Nacional das Apaes</a> abrangendo áreas temáticas ligadas à inclusão social da população em situação de deficiência, com foco na pessoa com deficiência intelectual e múltipla, em áreas como assistência social, ciências da educação e da saúde.</p> pt-BR <p>A revista se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, respeitando, porém, o estilo dos autores. As provas finais não serão enviadas aos autores.</p> <p>Os trabalhos publicados passam a ser propriedade da revista <em>Apae Ciência</em>.</p> <p>As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.</p><p> </p><p> </p><p> </p> institucional@apaebrasil.org.br (Erivaldo Fernandes Neto) Qua, 23 Dez 2020 14:55:29 +0000 OJS 3.1.1.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Editorial http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/179 <p class="p1">&nbsp;</p> <p class="p2">É com grande satisfação que apresentamos mais este número da Revista APAE Ciência que traz importantes contribuições acerca do universo da pessoa com deficiência. Esse número contempla trabalhos selecionados apresentados no I Congresso Científico Online da Federação das Apaes do Estado de São Paulo. Com o tema Intersetorialidade: saberes e práticas sobre a questão da pessoa com deficiência, o objetivo foi propiciar um espaço profícuo de diálogos e reflexões acerca desta temática<span class="s2">, </span>incentivando a pesquisa e relatos da prática profissional de inúmeras instituições e profissionais que fazem do seu cotidiano um movimento constante de busca pela garantia e efetivação de direitos dessa população.</p> Denise Gisele Silva Costa ##submission.copyrightStatement## http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/179 Qua, 23 Dez 2020 14:18:29 +0000 INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO: CONCEITOS E PARADIGMAS http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/180 <p class="p2">Este artigo tem por objetivo compreender as dificuldades para ingressar no mercado de trabalho e a função que o Estado e a família têm em auxiliar na segurança do direito ao trabalho<span class="s2">. </span>Avalia-se o contexto legal que envolve a matéria, o direito ao trabalho como direito fundamental e o cenário atual de contratações considerando dados expedidos pelos órgãos governamentais sobre o tema. Qualquer pessoa, independentemente de sua classe social ou diferenças, deve e pode desfrutar do seu tempo para praticar atividades que possam melhorar sua qualidade de vida, sendo assim incluídos na sociedade e não excluídos por ela. O trabalho das pessoas com deficiência tem que promover a inserção, nas relações sociais da dinâmica da sociedade. O estudo envolve uma análise crítica, foram efetivadas consultas bibliográficas e documentais, sobretudo com procedência na apreciação de legislação e doutrina pautada ao tema. Argumenta-se que embora haja muitos anos garantidos pela lei, a contratação de pessoas com deficiência ainda se revela seletiva e preconceituosa, contribuindo para a manutenção da ordem estabelecida, mantendo a desigualdade e a exclusão. Pode-se concluir que a educação e a qualificação profissional tornam-se imprescindíveis para o indivíduo se manter no mercado de trabalho e ter suporte suficiente para exercer as funções que o mercado competitivo exige.</p> <p class="p2"><strong>Palavras chave: </strong>Pessoas com deficiência. Inclusão. Trabalho. Dignidade.</p> Cristiany de Castro, Paulo de Tarso Oliveira, Fabiana Alvarenga Cunha Freitas ##submission.copyrightStatement## http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/180 Qua, 23 Dez 2020 14:20:55 +0000 AUTISMO: REFLEXÕES TEÓRICAS E PRÁTICAS http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/181 <p class="p2">O autismo é definido na literatura como uma desordem do neurodesenvolvimento caracterizada por limitações na socialização e comunicação, bem como interesses restritos e comportamentos repetitivos. Apesar de conhecido desde 1943, o autismo segue sendo estudado e ainda restam diversas lacunas no campo científico. Neste artigo serão propostas breves reflexões sobre temas atuais, tais como: a causa, a prevalência, o diagnóstico e os tratamentos, destacando a singularidade de cada criança.</p> <p class="p2"><strong>Palavras-chave: </strong>Autismo. Diagnóstico. Tratamento.</p> Erika Parlato Oliveira, Natália Lisce Fioravante Diniz, Eugênia Ribeiro Valadares ##submission.copyrightStatement## http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/181 Qua, 23 Dez 2020 14:31:49 +0000 CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENVELHECIMENTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E O PAPEL DA EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/182 <p class="p2">As últimas décadas do século XX foram marcadas pelo aumento expressivo na expectativa de vida de grande parte da população mundial, sobretudo em países mais desenvolvidos em que a longevidade da população e o quantitativo de idosos têm alcançado marcas inéditas. Este fenômeno é ocasionado por variados motivos, dentre eles o avanço nos recursos médicos e tecnológicos, nos tratamentos disponíveis, nas condições sanitárias, sociais, educacionais, entre outros. O aumento na expectativa de vida da população em geral também é observado nas pessoas com deficiência intelectual, que até a década de 1980 era de 30 a 35 anos e atualmente se aproxima dos 60 anos, desencadeando diversas dúvidas e questionamentos, tanto em familiares, quanto em profissionais que atendem esta parcela da população. Com o objetivo de apresentar algumas considerações sobre o envelhecimento das pessoas com deficiência intelectual, bem como refletir sobre o papel das instituições educativas neste processo, foi realizada uma revisão bibliográfica embasada em autores que discutem o envelhecimento da pessoa com deficiência intelectual como Clemente Filho e Groth (2004), Guilhoto et. Al. (2013) Xavier (2009, 2017), entre outros. Com a pesquisa foi possível destacar diversos aspectos relacionados ao processo de envelhecimento da pessoa com deficiência intelectual, entretanto também foi observado que esta temática ainda carece de estudos, sobretudo no Brasil e de maior atenção do poder público e da sociedade em geral, para que sejam apresentadas respostas pontuais a estas pessoas e a seus familiares. Foi observado que, como ocorre com a população em geral, o processo de envelhecimento da pessoa com deficiência intelectual está relacionado às experiências vivenciadas ao longo da vida, sendo este processo individual, ou seja, cada pessoa mostrará características específicas, impossibilitando o estabelecimento de parâmetros universais do envelhecimento, entretanto é comum que apresente características da senilidade precocemente. A pesquisa também evidenciou a importância da oferta de ações educativas desenvolvidas ao longo da vida para que estas pessoas alcancem o envelhecimento com maior qualidade e a necessidade da implantação de políticas públicas que atendam as necessidades das pessoas com deficiência intelectual em processo de envelhecimento nas áreas educacionais, sociais, médicas, entre outras.</p> <p class="p2"><strong>Palavras-chave</strong>: Deficiência Intelectual. Envelhecimento. Educação Especial.</p> Priscila Alvarenga Cardoso Gimenes ##submission.copyrightStatement## http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/182 Qua, 23 Dez 2020 14:51:28 +0000 OS EFEITOS DO PROTOCOLO PEDIASUIT® EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL UTILIZANDO O GMFM-66 http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/183 <p class="p2"><strong>RESUMO </strong></p> <p class="p2"><strong>Introdução: </strong>a Paralisia Cerebral é um conjunto de desordens no desenvolvimento da postura e do movimento, que causa limitação de atividade e é atribuído a um distúrbio não progressivo que ocorre no cérebro durante o desenvolvimento na fase fetal ou na primeira infância (até os seis anos de vida). Alguns métodos para o tratamento fisioterapêutico de crianças com Paralisia Cerebral têm sido empregados, incluindo o protocolo PediaSuit<span class="s2">®</span>, que possui o intuito de reforçar certos padrões de movimento. O fisioterapeuta, por meio de seus diversos domínios, porém em particular à terapia neste estudo referida, tem um papel fundamental na reabilitação e na otimização da neuroplasticidade em crianças com sequelas de paralisia cerebral. <strong>Objetivo: </strong>o trabalho teve como objetivo a análise dos efeitos quantitativos dessa terapia como intervenção fisioterapêutica na paralisia cerebral, por meio do protocolo de avaliação GMFM-66. <strong>Metodologia: </strong>foram utilizados os prontuários eletrônicos de sete pacientes submetidos ao programa de reabilitação pelo protocolo PediaSuit<span class="s2">®</span>, obtidos em uma clínica de fisioterapia localizada em Bauru/SP; e observados os resultados na pontuação do GMFM-66 nos momentos pré e pós intervenção. <strong>Resultado: </strong>houve aumento na pontuação do GMFM-66 dos sete pacientes após reabilitação pelo protocolo PediaSuit<span class="s2">®</span>. <strong>Conclusão: </strong>concluiu-se que o aumento&nbsp;na pontuação da GMFM-66 dos sete pacientes gerou benefícios para a função motora grossa de crianças com paralisia cerebral; porém, novas pesquisas são necessárias a fim de demonstrar a eficácia desse programa de intervenção frente às divergências encontradas.</p> <p class="p2"><strong>Palavras-chave: </strong>Paralisia Cerebral. Fisioterapia. Neuroplasticidade.</p> Marina Cantú, Thaisa Rino de Freitas Coelho, Darcísio Hortelan Antonio, Juliana Rodrigues Sigolo, Simone Cristina Chiodi Prestes ##submission.copyrightStatement## http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/183 Qua, 23 Dez 2020 14:36:57 +0000 PANORAMA DA REDE APAEANA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SEGUNDO OS RESULTADOS DO PRIMEIRO CENSO DA FEAPAES-SP http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/184 <p class="p1">&nbsp;</p> <p class="p2">Este trabalho apresenta um panorama da rede apaeana de educação especial do Estado de São Paulo a partir dos resultados do primeiro censo realizado pela FEAPAES-SP, denominado de Censo da Área da Educação 2019. Visando contextualizar o tema, o texto explica o que é a Federação das APAEs do Estado de São Paulo, o que são as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais, caracteriza os serviços prestados pela área da educação das APAEs e os situa em relação as normativas da modalidade da educação especial. Sobre o panorama da educação especial ofertada pela rede apaeana paulista, apresenta dados e faz uma análise em relação aos seguintes indicadores: APAEs que trabalham a área da educação; APAEs que são mantenedoras de escola de educação especial; APAEs que ofertam o atendimento educacional especializado; número de alunos atendidos pelos serviços da área da educação; alunos atendidos por tipo de deficiência; alunos matriculados por etapa de ensino; escolas que ofertam a educação especial para o trabalho; número de alunos atendidos na educação especial para o trabalho; forma de custeio dos alunos atendidos pelas escolas especiais; tipos de parcerias para o financiamento da escola especial; formas de financiamento do atendimento educacional especializado (AEE); formas de financiamento da educação especial para o trabalho; e os professores que atuam nas escolas especiais. O texto também explica como foi realizado o processo censitário, ressalta a relevância da iniciativa e a importância da divulgação dos resultados. O trabalho foi produzido utilizando as abordagens metodológicas quantitativa e qualitativa.</p> <p class="p2"><strong>Palavras-chave</strong>: Educação especial. Escola especial. Atendimento educacional especializado – AEE. Área da educação das APAEs. Censo da Área da Educação 2019 – FEAPAES-SP.</p> Ricardo Alexandre Pereira ##submission.copyrightStatement## http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/184 Qua, 23 Dez 2020 14:48:56 +0000